Dia Mundial Em Memória das Vítimas da Estrada

(Domingo, 18 de novembro de 2018)

 A estrada conta histórias. Nem todas têm um final feliz.

 

Este foi o tema da Campanha Internacional a propósito do Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada 2018 (Dia da Memória) e que pretendeu lembrar aqueles que perderam a vida ou a sua saúde nas estradas e simultaneamente reconhecer publicamente a trágica dimensão da sinistralidade, assim como tentar prevenir o acontecimento de mais acidentes e o consequente registo de mais vítimas na estrada. Além de homenagear as pessoas perdidas na estrada e as suas famílias, também se prestaram louvores aos profissionais que diariamente lidam com esta trágica realidade, tais como os polícias, as equipas de emergência e os restantes profissionais médicos.

A celebração anual do Dia Europeu em Memória das Vítimas da Estrada começou em 1993, pela mão da Federação Europeia de Vítimas da Estrada (FEVR).

Nove anos mais tarde, em 2002, o Papa João Paulo II, promoveu este Dia Europeu a Dia Mundial, dado o número alarmante de mortes. Já em 2005, a Assembleia Geral da ONU aprovou a adoção oficial do Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada, tal como é celebrado hoje em dia.

Portugal, em diferentes localidades, associando-se ao resto do mundo, também assinalou esta efeméride, tendo a Celebração Nacional ocorrido em Castelo Branco. E a Região Autónoma da Madeira não ignorou esta data.

A Escola Básica e Secundária da Ponta do Sol (EBSPS), impulsionada pela Direção Regional de Educação, entidade que coordena o Plano Regional de Educação Rodoviária (PRER), além da divulgação dos cartazes concebidos por esta, estabeleceu uma parceria com a Equipa de Coordenação do PRER 2018/2019 e desenvolveu na passada sexta-feira, 16 de novembro, um estudo a propósito do comportamento de peões e condutores em passadeiras, numa artéria da Vila da Ponta do Sol, através de uma observação diurna, direta, não participante e sequencial, objetivando a prevenção de acidentes, em particular os atropelamentos.

 

 Estiveram envolvidos por parte da EBSPS, os 2 dinamizadores do PRER, professores, Orlando Sousa e Zita Henriques e 6 discentes, 2 do 5º A (turma contemplada presentemente com ações no âmbito do projeto Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos) e 4 do 12º A, e a Equipa de Coordenação do PRER 2018/2019, esteve representada pelo professor, Nelson Relva. A observação decorreu durante uma hora e dos 73 peões observados, registaram-se os seguintes comportamentos: depois de se imobilizarem total ou parcialmente junto da passadeira, olharam para os dois lados antes de atravessar (n=30), olharam apenas para um dos lados e atravessaram (n=17), atravessaram a passadeira sem olhar (n=9), atravessou a passadeira distraído, com auscultadores (n=1), atravessou a passadeira a correr (n=1) e atravessaram fora da passadeira (n=15), ainda que estivessem a muito menos de 50m da mesma.

Os registos obtidos revelam que a maioria dos peões observados teve um comportamento desadequado. Com efeito, 43 peões observados (58,9%) expuseram-se completamente ao perigo e em alguns casos o comportamento destes foi mesmo arrepiante e destes, 15 (20,5%) atravessaram fora da passadeira, quando se encontravam a muito menos de 50m desta. Infração que é punida com coima que vai dos 10 aos 50 euros. A explicação encontra-se no artº 101º do Código da Estrada.

No que respeita aos 41 condutores observados, registaram-se os comportamentos seguintes: reduziram a velocidade ou pararam e cederam a passagem ao peão que aguardou junto da passadeira (n=36) e não cederam a passagem ao peão que aguardou junto da passadeira (n=5). Os resultados revelam um comportamento adequado e seguro da maioria dos condutores. No entanto, 5 condutores, representando uma percentagem significativa (12,2%), não cederam a passagem aos peões. Um comportamento que representa uma contraordenação grave que figura no artigo 145º do Código da Estrada, sendo punido com coima e subtração de 2 pontos ao titular da Carta de Condução.

Simultaneamente à realização da observação dos peões e condutores no contexto mencionado, foram distribuídos flyers, recordando o Dia da Memória e o seu objetivo, indicando o nº de atropelamentos em Portugal, com e sem vítimas mortais em 2017, além de incluírem algumas dicas a respeito do trânsito de peões e de condutores.

O Dia da Memória foi ainda assinalado na Escola, com a repetida exibição do vídeo da Campanha Internacional, o qual, bem como o cartaz alusivo à mesma efeméride, foram enviados, por email, a todos os docentes da EBSPS.

Este conjunto de iniciativas vai de encontro ao desígnio estabelecido no Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária 2020 (PENSE 2020) - “Tornar a Segurança Rodoviária uma prioridade para todos os Portugueses”. Com efeito e olhando para os dados da sinistralidade rodoviária, verifica-se que a tendência de descida verificada nos últimos anos, lamentavelmente, já foi interrompida em 2018. Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que morrem todos os anos 1,2 milhões de pessoas na estrada e que 50 milhões de pessoas ficam feridas no mesmo período. Caso não haja alterações na forma de encarar esta realidade, em 20 anos este número trágico aumentará em 65%.